Parlando com Marieta

dezembro 07, 2004

Alforria (Emília Casas)

Vejam que pérola de poesia.
Queria tê-la escrito.
Beijos alforriados




ALFORRIA



Homens de mim foram donos:
Pai, marido, filho , amante
Já despertei do mau sono:
De mim sou dona o bastante

Hoje caminho sem pressa
Com sorriso descansado
O olhar só de preguiça
Demorado como missa,
Mas cheinho de pecado
E assim, cheia de graça,
Sem ser a Virgem Maria
Mostro ao homem que passa
Minha carta de alforria

Não crê e diz que me quer
(Aí começa seu drama)
De forno e fogão mulher
Mas já sou de mesa e cama

Caiam todos botões
Fiquem calças sem bainha
Guarde todos seus perdões
Pra outra falsa rainha
Sou mulher...isso me basta
Sem rei, sem cetro e nome
Nunca mais santa e casta
Com sede de amor e fome

Só quem escuta a lua
Meu gozo gemido escuta
E assim, só pêlo, nua
Minhas carícias esbanjo
Me entregando toda puta
Pra quem me enxerga só anjo!

Alforria (Emília Casas)

novembro 26, 2004

Ele voltou

Ele voltou.
Meu gato Leopoldo voltou.
Estou muito feliz.
Obrigada, São Francisco de Assis.
Chegou sujo, encardido, miando estridentemente.
Preso numa pequena empresa, na minha rua.
De longe, meu filho ouviu os miados.
Foi um resgate demorado, cheio de emoções.
Mas ele está aqui.
Com fome, sede, querendo carinho e colo.
Onde ficou por seis dias o meu gatinho?
Mistérios. Não importa.
Ele está de volta.
Estamos muito felizes, todos.
Pena que eu ainda não tive tempo de pesquisar
como é que se coloca foto aqui.


novembro 23, 2004

Gatos

Desde as 19 horas de sábado, dia 19 de novembro, meu gato Leopoldo Henrique, desapareceu. Tive tanta esperança que ele voltasse, mas até agora nada. Sao muitas horas. Já percorri todas as ruas do bairro, em busca do Léo. Leozinho, meu gato, tão lindo, tão fofo, preto e branco, que tanto carinho me deu. Não sei, acho que ele não volta mais.
Já pensei mil coisas, atropelamento, envenenamento, pensei até na hipótese dele ter se perdido.
Há um mês e meio, perdemos a Michelina, nossa gata querida de 13 anos. Agora estamos só com a Isabel. Isabel está tão carente. Eu estou muito carente. Ah, o que eu não faria para encontrar o Léo.
Ainda quero aprender a colocar fotos aqui. Hoje colocaria dos meus gatos.
Os bichos jamais nos decepcionam.
Quanto mais conheço as pessoas, mais amo os animais.
Amanhã é outro dia.
São Francisco, que meu bicho não esteja sofrendo. Amém.

Artes da Marieta

Minha mãe sempre dizia que eu era arteira. Minha mais nova "arte" foi inventar esse blog, com a ajuda da minha amiga Lilibeth do "espelho meu". Agora vamos ver se dou conta do recado.
Uma amiga costuma dizer que descarrega suas neuras no blog, e que isso costuma fazer bem. Vamos ver se no meu caso isso dá certo. São tantas as neuras...

novembro 22, 2004

"meus amigos
quando me dão a mão
sempre deixam
outra coisa

presença
olhar
lembrança
calor

meus amigos
quando me dão
deixam na minha
a sua mão"

(Paulo Leminski)

Site Meter